28 maio 2009

Da perda de tempo

Parece que alguém conseguiu desvendar o que Bill Murray diz a Scarlett Johanson no final de Lost in Translation. O facto de este indivíduo se ter dado ao trabalho de descodificar uma coisa cuja beleza residia precisamente no facto de ser privada entre as personagens, totalmente elíptica, mostra apenas que, cinco ou seis anos depois, ainda há quem não tenha percebido o filme.

3 comentários:

Paulo disse...

Epah, acho que da primeira vez escrevi qualquer coisa como "já tinha ouvido falar nisto há uns tempos, mas continuo sem querer saber o que ali foi dito."

Qualquer dia alguém publica as cenas eliminadas do Belle Toujours em que depois da Séverine sair do jantar com o Husson, ele finalmente se vira para a câmara e mostra que dentro da caixa está uma versão mais pequena da engenhoca que o George Clooney inventou no Burn After Reading - é bem provável, but who cares!

Miguel Domingues disse...

Obrigado :)

Olha, se esta gente passasse a gostar de bola tinha mais com que se entreter lololololol

Paulo disse...

LOL. Sim, ao menos as discussões sobre bola são futilidades inofensivas. Ao contrário disto, que é quase criminoso :-P

Abraço.